Comentário sobre Na cavidade do rochedo: a pós-filosofia de Clarice Lispector

, Comentário sobre Na cavidade do rochedo: a pós-filosofia de Clarice Lispector. IMS Clarice Lispector, 2013. Disponível em: https://site.claricelispector.ims.com.br/2013/03/06/comentario-sobre-na-cavidade-do-rochedo-a-pos-filosofia-de-clarice-lispector/. Acesso em: 01 março 2024.

Aqui estão cento e onze páginas de fruição da obra de Clarice Lispector. Diferente do que estamos acostumados a ler de crítica literária a respeito, Roberto Corrêa dos Santos, em sua ampla interpretação distribuída por doze capítulos, alguns mais extensos, outros de apenas duas páginas – mas com a felicidade de converter a leitura em horas de reflexão –, conduz o leitor a um voo livre de perigos, assegurando sua total liberdade, sem lhe exigir que se firme em duras cordas teóricas. Antes constrói, com movimentos suaves, porém balizados, leituras e desleituras, iluminando diversos textos claricianos com integridade e grandeza. Conta ponto por, principalmente, não sufocá-los.

O leitor mais atento, ao caminhar pelo lirismo que Roberto Corrêa dos Santos usa em sua exposição, sente a prazerosa necessidade de parar, respirar e – se for dado a – grifar o texto de tão intensas as leituras dali. Difícil é não concordar com o autor que, ao pincelar apenas um título ou outro da produção de Clarice, consegue não repetir o que a essa altura do campeonato já se sabe pelo que a crítica literária das últimas décadas se empenhou em examinar. Roberto vai até a fronteira daquilo que os textos claricianos sugerem, se resguardando de possíveis equívocos alavancados por afirmativas exageradas. A escrita mesma de Clarice, por exemplo, é efetivamente um manual de instruções para o “desapego” a normatizações e estereotipias. É essa escrita que institui um novo saber que por nós não pode – não deve – ser, segundo o autor, “urbanizado” nem “destituído da angústia feliz que provoca”.

Ao ler Na cavidade do rochedo somos prontamente colocados na condição de leitores-exploradores. Entre encantados e assustados, nos dispomos a desbravar a gruta – ou obra – clariciana, que, por sua própria natureza, é feroz, escorrega, não se deixar apanhar integralmente.

Na cavidade do rochedo: a pós-filosofia de Clarice Lispector é um estudo inédito, publicado exclusivamente em formato eletrônico e disponível para download aqui.

Notas

body { padding: 0 30px; } @font-face { font-family: 'Brick Display Pro'; font-style: normal; font-weight: 900; font-display: swap; src: url("https://site.claricelispector.ims.com.br/wp-content/themes/clarice-acervo/fonts/brick-display-black-pro.woff2") format("woff2"), url("fonts/brick-display-black-pro.woff") format("woff"); } @font-face { font-family: 'Brick Display Pro'; font-style: normal; font-weight: 500; font-display: swap; src: url("https://site.claricelispector.ims.com.br/wp-content/themes/clarice-acervo/fonts/brick-display-regular-pro.woff2") format("woff2"), url("fonts/brick-display-regular-pro.woff") format("woff"); } @font-face { font-family: 'Domaine'; font-style: normal; font-weight: 500; font-display: swap; src: url("https://site.claricelispector.ims.com.br/wp-content/themes/clarice-acervo/fonts/domaine-regular.woff2") format("woff2"), url("fonts/domaine-regular.woff") format("woff"); } @font-face { font-family: 'Domaine'; font-style: italic; font-weight: 500; font-display: swap; src: url("https://site.claricelispector.ims.com.br/wp-content/themes/clarice-acervo/fonts/domaine-regular-italic.woff2") format("woff2"), url("fonts/domaine-regular-italic.woff") format("woff"); } @font-face { font-family: 'Domaine'; font-style: normal; font-weight: 700; font-display: swap; src: url("https://site.claricelispector.ims.com.br/wp-content/themes/clarice-acervo/fonts/domaine-bold.woff2") format("woff2"), url("fonts/domaine-bold.woff") format("woff"); } @font-face { font-family: 'Domaine'; font-style: italic; font-weight: 700; font-display: swap; src: url("https://site.claricelispector.ims.com.br/wp-content/themes/clarice-acervo/fonts/domaine-bold-italic.woff2") format("woff2"), url("fonts/domaine-bold-italic.woff") format("woff"); } img { display:none !important; } p,h6 { font-size: 18px; color: #2B2B2B; font-family: "Domaine",serif; font-weight: 500; line-height: 1.5em; grid-column: 4/-4; } h1,h2,h3 { font-family: "Brick Display Pro",serif; font-weight: 500; line-height: 1.16em; font-size: 36px; } .abnt-print { font-size:18px; } i { text-transform:uppercase; font-style:normal }